Exposição online destaca o trabalho do artista Hercule Florence
08/09/2021 16:44 em Exposição

Exposição on-line destaca o trabalho do artista Hercule Florence em mostra virtual do Google Arts & Culture, que possui desenhos que o inventor criou sobre o imaginário do interior de São Paulo, além de pinturas e representações elaboradas por outros artistas. A plataforma digital lançou ontem, dia 7 de setembro, essa exposição virtual "Cinco pintores visitam Hercule Florence", reunindo as imagens do inventor Hercule Florence (1804-1879), realizada no início do século 20 a partir dos originais do artista francês.

A iniciativa é uma parceria entre o Instituto Hercule Florence (IHF) e o Museu Paulista da Universidade de São Paulo (MP/USP), mais conhecido como Museu do Ipiranga. O projeto para reunir essas obras foi idealizado pelo historiador Afonso d’Escragnolle Taunay (1876-1958), diretor do MP entre 1917 e 1945, no contexto das comemorações do primeiro centenário da Independência do Brasil.

Taunay selecionou 120 desenhos de Florence da primeira metade do século 19, que foram registrados em reproduções fotográficas, em negativos de vidro ou cópias em papel, entre 1917 e 1943. A partir desses negativos, foram executados 91 trabalhos (entre pinturas, desenhos e azulejos), encomendados por Taunay a renomados artistas atuantes no estado de São Paulo. No dia 7 de setembro de 1922, após um período de reforma, o Museu Paulista foi reaberto, com a inauguração de cinco salas de exposição, entre elas a Sala A12, “Consagrada à antiga iconografia paulista”.

Denominado por Taunay como “Patriarca da Iconografia Paulista”, Florence retratou em seus desenhos e aquarelas temas como a rota das monções (expedições fluviais), fazendas, igrejas, tipos sociais, festas, o trabalho na lavoura e as moradias, que formam um conjunto iconográfico sobre o interior paulista. A mostra on-line destaca uma seleção de telas da Sala A12, suas matrizes e documentos textuais. São oito telas pintadas por cinco diferentes artistas: Alfredo Norfini (1867-1944), Henrique Távola (1851-?), Oscar Pereira da Silva (1867-1939), Adrien Henri Vital van Emelen (1868-1943) e Niccoló Petrilli (datas de nascimento e falecimento desconhecidas).

Os trabalhos retratam os temas Cavalhadas em Sorocaba, em 1830; Monções, navegação para o Mato Grosso; e Tipos antigos. Completam a mostra quatro negativos de vidro, uma fotocópia, cinco desenhos (todos de Florence) e dois recibos. A curadoria da exposição é de Ana Paula Nascimento, pesquisadora colaboradora do MP/USP. 

Parceria IHF e MP/USP - A parceria entre o Instituto Hercule Florence e o Museu Paulista da USP teve início em 2011, com a digitalização, o restauro, a transcrição e a tradução do manuscrito Caderno de notas de Amado Adriano Taunay (http://www.adrientaunay.org.br/portugues/), pertencente ao acervo do MP/USP. Em 2015, com o apoio do Instituto de Física da USP, a pesquisa pôde ser aprofundada com a possibilidade de leitura da escrita a lápis que se encontrava oculta sob a tinta ferrogálica do manuscrito, revelando uma nova camada de registros sobre a História do Brasil no século 19.

Durante 2019 e 2020, a parceria teve continuidade com o projeto Hercule Florence: Patriarca da Iconografia Paulista, por meio de pesquisa coordenada por Ana Paula Nascimento (Profa. Dra. Pesquisadora colaboradora do MP/USP), com supervisão de Maria Aparecida de Menezes Borrego (Profa. Dra. do MP/USP e supervisora técnico-científica do Museu Republicano de Itu – USP) e Francis Melvin Lee (Diretora do IHF).

Essas pesquisas resultaram no seminário internacional Museu Paulista e as memórias das narrativas de Aimé-Adrien Taunay e Hercule Florence, realizado em novembro de 2019, que discutiu os resultados da pesquisa sobre o Caderno de notas de Amado Adriano Taunay e a ampliação do conhecimento a respeito de Florence e seus trabalhos como ponto de partida às encomendas de pinturas para o Museu Paulista. A versão em texto desse seminário está publicada em um e-book homônimo, incluindo artigos de Jacques Leenhardt (EHESS/ Paris), Maria de Fátima Gomes Costa (UFMT) e Iara Lis Franco Schiavinatto (IA Unicamp/ MP/USP), entre outros participantes. O e-book pode ser baixado gratuitamente nos sites do Museu Paulista, do Caderno de notas de Amado Adriano Taunay e do IHF (https://www.ihf19.org.br/pt-br/notas-reflexoes/e-book-museu-paulista-e-as-memorias-narrativas-de-aime-adrien-taunay-e-hercule-florence,19).

Em fevereiro de 2021 foi realizado, ainda, o webinário Hercule Florence, a produção de imagens e as exposições do Museu do Ipiranga e do Museu Republicano, disponível no YouTube do IHF (https://youtu.be/eSeypOr4i5k) e também a editatona Hercule Florence em pintura – Museu Paulista da USP, igualmente disponível do YouTube do IHF (https://www.youtube.com/watch?v=NfggUO_qyZ4).

 

Sobre Hercule Florence - Nascido em Nice, França, em 1804, e cidadão de Mônaco, Hercule Florence foi desenhista e pintor de formação autodidata. Jovem inquieto e curioso, leitor de Robinson Crusoé e apaixonado por viagens, em 1824 desembarcou no Rio de Janeiro, sendo contratado com apenas vinte anos de idade como segundo desenhista da Expedição Langsdorff (1825 a 1828), missão científica que percorreu mais de 13 mil quilômetros de São Paulo ao Grão-Pará, a maior parte por navegação fluvial, do Tietê até ao rio Amazonas. Florence documentou em seus diários e desenhos as impressões sobre a paisagem, os índios, a fauna e a flora dos locais por onde passou.

No Brasil, a referência fundamental para o estudo da trajetória de seu legado é o livro do historiador Boris Kossoy, Hercule Florence: a descoberta isolada da fotografia no Brasil (Edusp/2006). Florence tem sido também cada vez mais reconhecido internacionalmente como um dos pioneiros do processo fotográfico, com citações em importantes publicações internacionais sobre história da fotografia, como A World History of Photography, de Naomi Rosenblum (Abeville, Nova York, 1984); Les Multiples Inventions de la Photographie, org. Jean-Pierre Bady, com artigo de Boris Kossoy (Association Française pour la Diffusion du Patrimoine Photographique, Paris, 1989); Seizing the light: A History of Photography, de Robert Hirsch (McGraw-Hill, Nova York, 2000); e The Thames & Hudson Dictionary of Photography, editado por Nathalie Herschdorfer (2015). Sua obra foi tema, ainda, de uma mostra no Nouveau Musée National de Monaco, entre março e setembro de 2017 (http://www.nmnm.mc/index.php?option=com_k2&view=item&id=347:hercule-florence-le-nouveau-robinson-villa-paloma&lang=en).

Sobre o Instituto Hercule Florence - O Instituto Hercule Florence (IHF) foi fundado em São Paulo em dezembro de 2006 e certificado como Organização Social de Interesse Público (OSCIP) em 2009. Seus objetivos são a coleta, organização, conservação e divulgação da bibliografia e de documentos sobre o século 19 brasileiro, reunindo um acervo próprio composto por biblioteca e arquivos especializados. O centro de seus interesses consiste no estudo dos diversos viajantes do século 19 e suas narrativas, bem como na produção científica e cultural da Expedição Langsdorff (1825-1828), e na vida e obra do artista e inventor franco-monegasco Hercule Florence (1804-1879), dispondo de uma bibliografia atualizada sobre o autor: bit.ly/HF-Bibliografia Entre suas realizações estão o lançamento do fac-símile do livro L’Ami des Arts livré à lui-même (http://www.ihf19.org.br/pt-br/hf-lami-des-arts.asp), de Hercule Florence, e a exposição O olhar de Hercule Florence sobre os índios brasileiros (http://www.ihf19.org.br/expo/).

Site: www.ihf19.org.br

 

Sobre o Museu Paulista da USP - O Museu Paulista pertence à Universidade de São Paulo, parte do conjunto de museus estatutários da Universidade. Foi integrado à USP em 1963, e desde então o Edifício-Monumento (popularmente conhecido por Museu do Ipiranga), bem como o Museu Republicano de Itu, extensão no interior paulista, passaram a ser administrados pela Universidade. Atualmente, o Museu Paulista da USP possui um acervo com cerca de 450 mil itens, a partir dos quais promove seus cursos, palestras e eventos acadêmicos e culturais. No mesmo bairro, possui outros imóveis como a Biblioteca, o Centro de Documentação Histórica e as atividades educativas, acadêmicas e de cultura e extensão da unidade. Em Itu, além da sede expositiva, compõem ainda o Museu Republicano o Centro de Estudos, conhecido por “Casa do Barão”, que abriga a Biblioteca, os setores de Documentação Textual, Iconografia e Objetos e a área administrativa, e a Casa da USP, espaço de reserva dos acervos.

Site: http://www.mp.usp.br/museu-paulista-da-usp

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!
PUBLICIDADE